Jornal Público | “O mundo ocidental deixou de cuidar dos seus mais velhos, relevante fonte de sabedoria e experiência que pura e simplesmente descartamos. Deixamos de falar com os doentes, de auscultar quais as suas expectativas, esperanças, desejos e vontades. Iludiram-se decisores políticos e administradores hospitalares durante décadas ao terem acreditado que sistemas de saúde poderiam melhorar pela simples aplicação de ferramentas de gestão sobre processos, sem envolver os doentes. Erraram e falharam redondamente. É por isso que os custos na saúde se descontrolaram ao mesmo tempo que a carga da doença na sociedade cresce exponencialmente.”

Ler artigo completo