Infarmed: Audição do Ministro da Saúde

Infarmed: Audição do Ministro da Saúde

Nesta audição ficou claro que o Governo anunciou a deslocalização do Infarmed e só depois começou a estudar os impactos da decisão.

O Ministro da Saúde assumiu que a deslocalização não ocorrerá de todo no dia 1 de Janeiro de 2019 e continua sem anunciar qual o futuro da agência reguladora do medicamento.

Assista à audição completa aqui

Documento de transferência do Infarmed

Documento de transferência do Infarmed

A entrevista ao Prof. Henrique Luz Rodrigues confirma que o Ministro da Saúde, apesar das múltiplas insistências da Assembleia da República, enviou aos Deputados uma versão incompleta do relatório e muito depois de o ter recebido.

Nas palavras do coordenador do grupo de trabalho, Professor Henrique Luz Rodrigues, faltou “transparência e equidade” no envio do relatório, acrescentando que “o gabinete do ministro não enviou o documento aos deputados a tempo de se prepararem para a audição [no Parlamento] e a versão que receberam estava incompleta”.

Afirmou, também, ter enviado o documento completo e em tempo útil ao conselho directivo da Autoridade do Medicamento — Infarmed e aos trabalhadores.

Agora resta ao Ministro da Saúde pedir desculpa. Não a mim. À Assembleia da República.

Leia a notícia aqui

Audição sobre deslocalização do Infarmed

Audição sobre deslocalização do Infarmed

Decorreu na Assembleia da República a audição da comissão nomeada pelo Governo para estudar a transferência do Infarmed I.P. para o Porto.

A audição contou, também, com o Professor Henrique Luz Rodrigues, coordenador do grupo de trabalho.

Veja o vídeo aqui

Debate sobre Saúde no Parlamento

Debate sobre Saúde no Parlamento

No dia 5 de Julho tive a oportunidade de participar num debate sobre saúde, que contou com a presença do Ministro da Saúde, na Assembleia da República.

Ficou a mensagem do Ministério da Saúde para o Presidente da Câmara Municipal do Porto: O Infarmed, I.P. deverá deverá ficar em Lisboa por força da vontade dos profissionais (99% recusam a deslocalização) e pelos riscos de saúde pública destacadas pela Direção-Geral da Saúde.

O tema da dificuldade nos acessos também foi abordado, nomeadamente, o atraso no acesso à consulta hospitalar e às cirurgias, fazendo com que as pessoas, cada vez mais, recorram ao privado.

Ver vídeo